sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

LIVRO - Tudo é Eventual - Stephen King - Conto: A Morte de Jack Hamilton



     Nesse conto, Stephen King fala da gangue de John Dillinger. Trata-se de um conto policial e baseado em uma história real. O conto é narrado por Homer Von Meter, um membro da gangue de John Dillinger, e fala sobre a morte de Jack Hamilton (claro).
     A gangue realmente existia e Jack Hamilton realmente morreu, como está no conto, mas o nome dele na verdade era John Hamilton. Mas o meio da história, os momentos que eles ficaram escondidos foi criação do King.



     A gangue de John Dillinger cometia assalto a bancos em todo os Estados Unidos e tiveram inúmeros encontros com a polícia. Em um desses encontros Jack Hamilton leva um tiro. Seus amigos, companheiros da gague, não podem leva-lo ao hospital porque eles são fugitivos da polícia.
     Depois de muito fugirem, trocarem de carro e algumas paradas, eles finalmente ficam com alguns conhecidos, onde Jack consegue, na medida do possível ser tratado, mas não foi o suficiente. Por não conseguirem tratar o ferimento de forma correta, Jack passa do sangramento, para a gangrena e o delírio. Nos seus momentos finais Jack lembrava histórias passadas e os amigos tentavam ajuda-lo de alguma forma.
     É um conto muito interessante de se ler. Nele a gente já sabe o final, mas o que importa é o que acontece nos momentos do esconderijo, que não há jeito de ninguém saber, e é claro tudo é criação do Stephen King.


A História Real




     Entre 1933 e 1934 Dillinger e sua gangue cometeram uma onda de assaltos a bancos em todo os Estados Unidos e tiveram inúmero encontros com a polícia. 


     John Dillinger


     Ganhou o apelido de Jackrabbit por sua rapidez nos assaltos e fugas da polícia. Foi considerado um bom jogador de basebol enquanto na prisão. Conheceu Harry Pierpont e Russel Clark na prisão e se juntou a eles ao sair. Um dia Dillinger foi com a namorada Polly e com Ana Sage ao cinema, Sage estava com problemas de imigração, então fez um acordo com o FBI para emboscar Dillinger. Ele foi baleado três vezes e morreu. O acordo de Sage nada adiantou e ela foi mandada novamente para a Romênia.


     John Hamilton


     Não se sabe muito sobre a vida dele antes dos crimes. O pai é canadense e a mãe Nova Iorquina. Em março de 1927 foi preso por roubo de um posto de gasolina onde se tornou amigo de Dillinger, Makley, Pierpont e Van Meter. Em 1933 ele escapa da prisão. Passando assim, junto com seus companheiros de gangue a roubar bancos. Em 23 de abril de 1934 foi baleado e em 26 de abril foi declarado morto.


     Homer Van Meter


     Foi preso pela primeira vez na adolescência por conduta em embriaguez e desordem, um ano depois foi condenado por roubo de veículo. Depois de três meses em liberdade condicional se juntou com um companheiro de cela para roubar passageiros de um trem. Conheceu Dillinger, tentou escapar da prisão, ficou preso na solitária e apanhou dos guardas. Conseguiu sua condicional uma semana após Dillinger também conseguir a sua, quando passou a roubar bancos.
     Van Meter foi confrontado por quatro policiais, e dois detetives que afirmaram que ele ignorou seu comando e começou a fugir, levando assim 50 tiros. Ele morreu aos 27 anos.


     Russel Clark


     Era mais conhecido como Boa Índole, participou de uma série de assaltos armados com a gangue por três meses por todo os Estados Unidos entre outubro de 1933 até sua captura em janeiro de 1934.
     Ficou preso em Columbus, Ohio por 34 anos até ser colocado em liberdade condicional por razões de saúde. Morreu de câncer na véspera de Natal, apenas 4 meses após sua libertação. Foi o último membro sobrevivente da gangue de Dillinger original.


     Harry Pierpont


     Conhecido por ser amigo e mentor de John Dillinger. Era um líder nato, leal e tinha a reputação de cuidar daqueles que o cercavam. Não gostava de publicidade e deixava outros levarem o crédito pelos assaltos a bancos cometidos.
Foi executado na Penitenciária de Ohio em 17 de outubro de 1934 ao 32 anos e 4 dias de idade.


     Charler Makley



     Ele cultivava a aparência de um homem de negócios legítimo, entre os crimes trabalhava como vendedor e agente de seguros. Enquanto esperava por sua vez na cadeira elétrica, ele e Pierpont esculpiram um par de revólveres de barras de sabão e enegrecidas com sapato polonês. Em 22 de setembro de 1934, usaram essas ‘armas’ para tentar uma fuga. Agrediram um guarda e libertaram Clark, mas Clark acabou desistindo e voltando para a sua cela. Pouco depois os guardas atiraram em Makley e Pierpont. Makley morreu no local, Pierpont ficou gravemente ferido, sobreviveu para ser executado posteriormente.


     Ainda sobre a gangue de Gillinger, vários livros e filmes foram lançados. Vou pesquisar um livro para ler e falar aqui com vocês. Fiquei muito interessada nos detalhes da histórias deles, então podem ter certeza que vou trazer mais alguns posts sobre a gangue de Dillinger.
     Quanto a filme, encontrei um motivo para assistir Inimigos Públicos. Têm vários outros filmes sobre eles, mas resolvi começar com esse. Que inclusive já assisti e logo trago um post sobre ele. 

     Espero que tenham gostado. Nos vemos em breve! xoxo

Nenhum comentário:

Postar um comentário